Lilypie Kids Birthday tickers

Lilypie Kids Birthday tickers

Lilypie First Birthday tickers

Lilypie First Birthday tickers

domingo, 30 de dezembro de 2007

O Natal de 2007


Ía escrever um post a desejar feliz Ano Novo, mas entretanto lembrei-me que não escrevi quase nada sobre o Natal. Entretanto também já recordei que não foi só por coincidência que isso aconteceu... Por um lado, por a minha avó ter estado uns dias cá em casa, fiquei privada do meu quarto, por isso não usei o computador, por outro lado, este ano o Natal teve pela primeira vez o sabor amargo que não ter estado sempre com a minha filha. No ano passado eu e o pai tinhamos optado por passar o Natal juntos, mas este ano achamos que já não fazia sentido. Eu fiquei com a R. na noite de Natal, e no dia 25 o L. veio buscá-la... O que me deixou de coração partido...

Mas o que interessa é que a pequenina passou o Natal muito bem, apesar de um pouco perdida no meio de tantos presentes... Na noite de Natal aguentou-se, sempre bem comportada, até à 1h da manhã...

E o Pai Natal "tusse mesmo o que eu quia, mamã"!

É sem dúvida o sorriso das crianças o que mais faz esta época valer a pena...


Até sempre,

C&C


Rumos...

Quase no final de um mês que deixa qualquer um a precisar urgentemente de férias (entre comemorações, compras de presentes e jantares de todos os tipos e feitios), na passada sexta-feira ainda tive mais um jantar, desta vez de despedida de dois colegas da primeira empresa na qual trabalhei... Fiz questão de ir a este jantar porque nunca esqueço aquela equipa, tenho muito orgulho em ter iniciado o meu percurso profissional exactamente da forma como o pretendia iniciar, e também no percurso que fiz lá dentro, bem como dos amigos que ganhei...
No entanto, tenho saído dos ultimos jantares com eles com a cabeça quase a andar à roda...
No meu dicionário de expressões pessoais, aplico a expressão "estar cada vez mais na mesma" para designar alguém que ao longo dos anos continua sempre a viver a vida de forma igual, sem grandes objectivos, ambições ou feitos pessoais... E ultimamente é assim que eu me tenho sentido... cada vez mais na mesma... a passar ao lado da carreira que gostaria de ter tido, enquanto vejo os outros a irem mais e mais longe... independentemente de terem ou não mais capacidades do que eu...
Sei que também não tenho feito grande coisa para alterar o rumo da minha vida profissional, e vejo-me até cada vez mais acomodada ao meu trabalho, e até um pouco com medo da mudança... Mas a verdade é que a "estrelinha da sorte" que parece acompanhar sempre algumas pessoas não tem estado do meu lado...
Até sempre,
C&C

Count-down: Faltam 19 dias!

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

Baby Boom...

Por favor deem-me a vossa opinião: Será impressão minha, será o meu relógio biológico a tentar dizer-me alguma coisa, ou confirma-se e há bebés a nascer por todo o lado????

Até sempre,
C&C

P.S.
1. Já agora, seja muito bem-vindos ao mundo os pequenos: S., M.+F., L., G., M., I., J. (para só dizer os mais recentes e dos quais sei o nome.
2. E para as futuras mamãs, que corra tudo bem, e como diz o povo, "que tenham uma boa hora" :-)))


Count-down: Faltam 29 dias... (ainda bem que o tempo passa depressa)

domingo, 16 de dezembro de 2007

Rebentando de orgulho...


Ontem vivi um dos momentos mais especiais do ano... A festa de Natal da escolinha da R.!
Penso já antes ter referido que tinha ficado ao mesmo tempo orgulhosa e preocupada quando percebi que a R. tinha sido escolhida para declamar um poema. É muito pequenina e a responsabilidade era grande...
Enquanto esperava pelo inicio da festa confimava os motivos para a minha ansiedade, a plateia estava repleta, deviam estar umas 400 pessoas a assistir, e eu super-nervosa a imaginar a minha pequenina a ter que falar à frente de toda aquela gente.
Quando a vi a pegar no microfone, com um sorriso tranquilo, e a dizer o poema como se estivesse em casa, não consegui conter as lágrimas emocionadas que me correram pela face... De repente viu a avó paterna na plateia e não conteve um grito alegre ("ó Vó!"), que arrancou gargalhadas do público. Foi continuando a chamar à medida que nos ia reconhecendo na plateia, mas sempre sem se desconcentrar. Depois alguns coleguinhas encenaram a peça dos 3 porquinhos, ela ficou sentada, mas sempre animada e muito atenta. No final dançaram uma musica. O sorriso não lhe saiu dos lábios... via-se que estava simplesmente feliz por estar ali...
Estou agora a olhar para ela e as lágrimas voltam a espreitar nos meus olhos... Ser mãe é fabuloso, e estes momentos, em que o coração parece rebentar de tanto orgulho, compensam tudo aquilo que é menos bom...
Até sempre (e desculpem a baba),
C&C
P.S. Dado o tema do post hoje não há contagem...

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Jantar de Natal

Ontem tive o jantar de Natal da empresa. Estava habituada a jantares de Natal muito institucionais, com os discursos da praxe... aqueles a que sentimos que temos obrigação de ir, mas nos quais sabemos de antemão que não nos vamos divertir.
Como mudei este ano de funções, mas na mesma empresa, estava à espera de algo semelhante... A verdade é que a componente institucional existiu, mas foi muito mais do que isso... Foi um momento de espirito de equipa muito forte, com uma componente ludica de nível, com animação posterior (dança e karaoke), muito divertido.
Desde que trabalho nesta instituição nunca me tinha sentido tanto "de camisola vestida". Tenho orgulho em pertencer a esta equipa, apesar dos defeitos que sempre existem... Tenho vontade de fazer mais e melhor, de levar o barco mais e mais longe...
É verdade que um bom líder pode fazer uma grande equipa... e acho que é isto que todos os profissionais que ontem lá estiveram (cerca de 150 pessoas, quase ninguém quis faltar) sentiram o mesmo...
Até sempre,
C&C
Count-down: Faltam 35 dias...

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Elementar, meu caso Watson

Mandaram-me hoje este mail. Não é propriamente uma grande novidade, mas está bem visto:


Sherlock Holmes e Watson vão acampar. Montam a tenda e, depois de uma boa refeição e uma garrafa de vinho, deitam-se para dormir.
Algumas horas depois, Holmes acorda e diz para o seu fiel amigo:
- Meu caro Watson, olhe para cima e diga-me o que vê.
Watson responde:
- Vejo milhares e milhares de estrelas...
Holmes, então, pergunta:
- E o que isso significa?
Watson pondera por um minuto, depois enumera:
1. Astronomicamente, significa que há milhares e milhares de galáxias e, potencialmente, biliões de planetas.
2. Astrologicamente, observo que Saturno está em Leão e teremos um dia de sorte.
3. Temporalmente, deduzo que são aproximadamente 03h15min pela altura em que se encontra a Estrela Polar.
4. Teologicamente, posso ver que Deus é todo-poderoso e somos pequenos e insignificantes. Correcto?
Holmes fica um minuto em silêncio e diz:
- Watson, seu idiota! Significa que alguém nos roubou a tenda!!!

Moral da história:
A vida é simples, nós é que a complicamos.
Count-down - Faltam 37 dias!!!

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Quanto pesa a consciência?



(Em primeiro lugar, sim já deveria estar a dormir, mas não me apetece, que o dia foi agitado... estou a descomprimir um bocadinho)

Hoje fui concluir as minhas compras natalicias. Detesto deixar tudo para a última hora (às vezes acho que deveria ter nascido num país nórdico... tenho coisas que não são muito de Portuguesa... mais um exemplo é a mania dos horários... enfim, estou a divagar).

Comprei algumas caixas de bonbons num hipermercado, e chegada à caixa, paguei, mas de repente achei que estava a pagar pouco dinheiro. Verifiquei a conta, e a funcionária apenas estava a facturar metade das caixas. Nem tive aquele momento de hesitação (digo, não digo), imediatamente lhe disse que a conta não estava correcta.

A pessoa que me acompanhava ficou a olhar para mim, e depois só me disse: és mesmo M.

Pois, é verdade que na facturação de um hipermercado aquilo é uma gota num oceano... mas fiquei de consciência leve e tranquila... E isso tem muito mais valor do que 2 caixas de bonbons...

Outro caso, que não se passou comigo, mas que me tocou.

No outro dia, uma funcionária que faz caixa num banco teve que colocar 500 Eur do próprio bolso, por uma diferença deste montante que ocorreu no fecho das contas do dia. Talvez haja quem não saiba, mas havendo falhas de caixa, é sempre o funcionário que trabalha nesse posto que tem que colocar o dinheiro... Para isso recebe um subsídio para falhas, mas cujo montante nem de perto chega aos 500 Eur. A funcionária diz que tem quase a certeza que sabe quem foi a pessoa que levou para casa esse dinheiro a mais... mas o que é certo é que não pode confrontá-la, e ficou com o prejuizo...

Fossem todas as consciências tão pesadas como a minha, e haveria menos injustiças como esta no mundo...

Até sempre,

C&C

Chuva de beijos

Ontem adormeci com um grande sorriso nos lábios. A minha filha presenteou-me com uma chuva de beijos, daqueles que são os melhores de todos, por serem dados sem serem pedidos... Está cada vez mais meiguinha, a minha pequenina!
O que até faz esquecer as birras que vão teimando em acontecer de vez em quando... mas lá está, acontecem sempre em alturas em que a levo para ambientes de maior confusão, ou em dias mais agitados... Tenho que saber adaptar-me ao ritmo dela...

Até sempre,
M. babada

domingo, 2 de dezembro de 2007

A R. e o Natal

Nada é tão ternurento como as reacções das crianças perante a época natalicia...
Também no que se refere ao Natal, é pena que os interesses económicos façam desta época cada vez menos a época da familia e mais a época dos presentes... Mas enfim, vamos tentando manter e focar o espirito naquilo que é verdadeiramente importante.
Hoje estive com a R. a escrever a carta para o Pai Natal. Ela ditava e eu escrevia (e dava umas ideias, admito). Então foi assim que ficou:
"Querido pai Natal, Portei-me bem, fui uma menina muito linda. Quero um filme para a Barbie, dela. Quero uma Barbie com um vestido de brilhos. Se só puderes trazer uma coisa prefiro a Barbie. Vou continuar a portar-me bem e a comer tudo. Boa viagem e que corra tudo bem com os presentes. Um abraço e obrigada. R."
(as "flores" fui eu que fui dando as ideias, basicamente o que lhe interessava era dizer que presentes queria)
Entretanto pedi-lhe ajuda :-), dada a minha falta de inspiração para os presentes de Natal neste ano. Então cá ficam as escolhas de presentes da R. para a familia:
Madrinha - uma boneca;
Vó C. - um pato;
Padrinho - um garfo;
Pai - uma faca;
Mãe - uma estrela;
Tia H. - um lençol;
Primo A. -uma almofada;
Vó L. - um cavalo.
Preparem-se... Fui!!! (às compras)
Até sempre,
C&C

sábado, 1 de dezembro de 2007

Frases sentidas

"A única coisa que altera com "o passar do tempo" é a nossa idade,
São as atitudes que tomamos que geram as grandes mudanças."
M.

Até sempre,
C&C

Espectáculos - Noddy Live

Fui hoje com a R. ver o espectáculo Noddy Live - O tesouro escondido, ao Europarque. Ela gostou muito, tal como já se previa. Não é fácil coseguir fazer uma plateia repleta de pimpolhos irrequietos ficar parada nos lugares durante praticamente 2 horas, mas foi isso que aconteceu...

À parte a gigantesca máquina (ou máquinas) de marketing e merchandising que o Noddy tem por trás, e que por vezes chega a irritar e a cansar, o espectáculo está bem feito, e as crianças adoram... É um facto...
No regresso a casa passamos pelos Aliados para ver a "Maior árvore de Natal da Europa". Muito bonita! A R. adorou...
Foi um bom dia passado em familia, mas confesso que estou cansadissima... Foram muitos kms e o nevoeiro acompanhou toda a viagem de regresso...

Até sempre,

C&C

domingo, 25 de novembro de 2007

Domingo em familia

Hoje praticamente não saí de casa, mas foi um dia muito bem passado. A minha irmã e o meu cunhado vieram almoçar cá a casa. A presença dos "meus mais que tudo" foi complementada pela visita surpresa do D., que recebi com o coração rejubilante, principalmente porque nos últimos dias, e provavelmente por causa da pressão que temos vivido, as coisas não estavam muito bem entre nós.
E que bem que encaixa o D. na minha familia. Pode ser impressão minha, mas parece que sempre esteve por cá...
Uma palavra também para a R., que me deu um fim-de-semana de luxo... Aliás, começo a achar que descobri o segredo para lidar com ela... Dar-lhe tranquilidade, e evitar puxar muito por ela... (vamos ver até quando resulta)
Até sempre,
C&C

sábado, 24 de novembro de 2007

Frases sentidas - Shakespeare


Mais um excerto do tal e-mail do outro dia:

"Descobres que se leva anos para se construir a confiança e apenas segundos para destruí-la, e que poderás fazer coisas das quais te arrependerás para o resto da vida. Aprendes que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias . E o que importa não é o que tens na vida, mas quem tens na vida. E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher. Aprendes que não temos que mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam, percebes que o teu melhor amigo e tu podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos. Descobres que as pessoas com quem tu mais te importas são tiradas da tua vida muito depressa, por isso devemos sempre despedir-nos das pessoas que amamos com palavras amorosas, pode ser a última vez que as vejamos."
Até sempre,
C&C

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Dias desinspirados

Hoje o dia não começou bem... Vá-se lá saber porquê, o despertador não tocou (juro que o pus a despertar), e cheguei ao trabalho imensamente atrasada...
Além disso, ou talvez também por causa disso, sinto que fui infectada pelo virus da molenguice... Os minutos arrastam-se com uma lentidão impressionante e eu sinto que não estou a conseguir produzir nada... Olho para as pilhas de papel à minha volta, e a consequência é que fico ainda com mais vontade de sair daqui...
Entretanto penso: vou escrever alguma coisa no blog... mas o quê? Estou totalmente desinspirada...
E além disso recebo um telefonema de uma amiga que já não vejo há algum tempo e que me faz pensar que a minha vida não avança, enquanto que a de outras pessoas está sempre em movimento...

Só quero que as horas passem depressa... para me poder ir embora!
Acho que a unica coisa boa mesmo que encontro no dia de hoje é que é sexta-feira...

E agora vou reunir toda a minha força de vontade e tentar fazer alguma coisa!

Até sempre,
C&C

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Um anjinho (hoje)...

Às vezes as crianças podem tornar-se verdadeiros enigmas... Então não é que hoje, no dia em que a minha paciência tinha chegado ao limite e eu tinha começado a apregoar aos quatro ventos que a minha filha andava com um feitio muito dificil (para não dizer pior), ela me deu um final de dia simplesmente fenomenal?
E eu que já estava à espera de uma noite complicada, porque ela tinha dormido mal na noite anterior, e porque acabei por ir eu hoje buscá-la (já tarde) ao infantário... Recebeu-me com uma corrida para os meus braços, um sorriso de orelha a orelha, e um abraço bem apertado...
Ainda andei com ela na rua e a R. sempre bem, depois em casa enquanto tratava dos meus afazeres ela lá foi brincando sózinha, satisfeita, tranquila e sem reclamações. Jantou muito bem e pela própria mão, não houve birras para o banho. Manteve aquele rosto lindo sempre iluminado e de sorriso pronto, e antes de dormir ainda me brindou com uma chuva de beijinhos...
O que pode uma mãe querer mais? Mais dias assim, não é? Ou pelo menos saber o que fazer para que os dias sejam assim... O problema é que as crianças deveriam vir acompanhadas à nascença de um livro de instruções... mas não vêm...
Entretanto, há que aproveitar os dias bons... E hoje vou-me deitar com um sorriso de orelha a orelha, e completamente tranquila.
Obrigada, R.!
Até sempre,
C&C

sábado, 17 de novembro de 2007

Uma história de amor...


Estive a ler uma linda história de amor... que me deixou com os olhos marejados de lágrimas, tal a sua beleza e intensidade... Pelo meio dos seus vários capítulos, também cheguei a ficar perplexa, por determinadas atitudades da protagonista da história. Como pode ela em determinado momento e depois de tudo o que já tinha vivido, recuar, fazendo sofrer a quem tanto amava? A mente humana é por certo complexa, e às vezes prega-nos partidas que nem mesmo à distância chegamos a conseguir entender... Retomada a magia, a história não está ainda terminada e tem muitos episódios ainda pela frente. Vividos agora com mais tranquilidade, ou pelo menos com a tranquilidade possível, dado que às vezes o tempo parece não passar...
Estive a ler a nossa história, querido D., felizmente guardada para o futuro no meu primeiro blog... E depois de tudo o que já vivemos, numa altura em que tanto há ainda para acontecer e para viver... quero dizer-te que te AMO! As raízes que nos unem são profundas, e o sentimento relativamente ao futuro só pode ser positivo, e vivido com expectativa e ansiedade.
Tua,
M.
P.S. Não consigo deixar de expressar o quanto lamento as minhas atitudes, e o impacto que tiveram no atraso do nosso futuro...

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Parabéns, princesa!!!

No dia 16 de Novembro de 197X, eu tinha 3 anos e 2 meses. Não o poderia saber, mas este foi um dos dias mais importantes da minha vida. Isto porque nascia a minha companheira de vida… a minha melhor amiga…
Muitos parabéns, querida mana! Que a vida te presenteie com muitos sorrisos…

Ah… Costuma-se dizer que os homens são como o vinho do Porto, melhoram com a idade. Mas quero-te dizer que também a ti os anos te ficam muito bem!

Um beijo cheio de ternura!
M.

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

Frases NÃO sentidas

Neste mundo materialista em que vivemos, foi com um sorriso de ironia que acolhi esta citação aleatória que apareceu no blog:
"O dinheiro não é tudo. Não se esqueça também do ouro, os diamantes, da platina e das propriedades."
Tom Jobim

E já agora, nesta época natalicia, atrevo-me a acrescentar: "... e dos presentes de Natal"

Até sempre,
C&C

terça-feira, 13 de novembro de 2007

Frases sentidas - "Shakespeare"

Hoje enviaram-me um e-mail com um texto fantástico de Shakespeare. Não o publico desde já na integra por ser muito extenso, mas optei por seleccionar algumas frases para aqui ir deixando. Para hoje:


"Depois de algum tempo aprendes que o sol queima se te expuseres a ele por muito tempo. Aprendes que não importa o quanto tu te importas, simplesmente porque algumas pessoas não se importam ... E aceitas que apesar da bondade que reside numa pessoa, ela poderá ferir-te de vez em quando e precisas perdoá-la por isso. Aprendes que falar pode aliviar dores emocionais."


E depois desta, vou mesmo curar a gripe...
Até sempre,
C&C

Guerra à gripe

Chegou de mansinho, com passinhos de lã. Inicialmente sob a forma de um cansaço que visto à distância realmente era um pouco exagerado, e que me fez passar quase todo o fim-de-semana a dormir ou em estado "semi-vegetativo"... prontamente atribuido à fase tão absorvente de energia, essencialmente em termos psicológicos, em que se encontra a minha vida.
Seguiu-se o já mais sintomático nariz entupido... Mas mesmo assim, não era nada de especial, nem sequer pensei "estou-me a constipar".
No final da tarde de hoje, já não me restavam quaisquer dúvidas: está a preparar-se uma gripe das valentes... O congestionamento geral que sentia fazia-me ter a certeza que já tinha temperatura e tudo... Coisa que em mim é rara, pelo que, acreditem, mesmo com 37,2º já estou "de todo".
E assim declaro oficialmente neste blog guerra a esta estúpida gripe que se lembrou de aparecer numa altura em que não posso mesmo dar-me ao luxo de ficar doente (é verdade que uma mãe nunca pode dar-se a esse luxo)... Mas aguardam-se dias super-exigentes também em termos profissionais, pelo que é ficar doente é absolutamente proibido!
E agora vou-me aconchegar bem nos meus lençóis, munida do meu pijama mais quentinho... e rezar para que a R. nos dê uma boa noite de sono às duas...

Até sempre,
C&C

domingo, 11 de novembro de 2007

Home Sweet Home...

Como prometido, cá ficam as (grandes) novidades sobre a casa nova. Está escolhida!!!
Não foi um caso de paixão, mas ponderadas as várias opções, revela-se aquela que preenche da melhor forma todos os requisitos que considerava importantes... A escolha acabou por ser rápida porque tenho um forte incentivo em concretizar o processo de compra até final deste ano, pelo que limitei a minha escolha a apartamentos já concluidos. Como cá na terrinha não existem muitas opções (a construção é pouca), não precisei de muito tempo para conhecer todas as alternativas. Feita a escolha, restava-me tentar negociar, o que consegui de forma que considero inteligente. Queria fazer um bom negócio e creio que o consegui...
Agora... vou fazer o contrato promessa, e depois para realização da escritura tenho q aguardar a conclusão do processo de divórcio... Esta é que é a verdadeira novela... Isto porque estou dependente, de uma coisa que não consigo controlar... As duas semanas que o advogado inicialmente nos transmitiu já vão em 5... E eu com a minha vida pendurada por causa das burocracias do país...

Até sempre,
C&C




Cada vez mais crescida

Diz o Lilypie que a R. tem hoje 3 anos, 4 meses, 3 semanas e 2 dias... O certo é que a acho cada vez mais crescida, gradual e lentamente lá vai dando cada um dos passinhos que um dia a levarão à independência.

Vem isto a propósito de este fim-de-semana ter começado a tratar sozinha dos xixis e cocós. Vai buscar o potinho, baixa as calças e as cuequitas, lá trata do assunto, só precisa que lhe dê o papel, mas limpa-se sózinha e tudo. Penso que foi trabalho do infantário... Um grande passo...



E assim se sucedem os dias, em que a pouco e pouco a sinto cada vez mais crescida, mais indenpendente... menos minha...

Até sempre,
C&C

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Feliz aniversário

Mãe,
Que o dia do teu aniversário marque o inicio de um ano cheio de acontecimentos felizes...
Espero que marque também o inicio de uma nova fase, em que consigamos ultrapassar as nossas diferenças.
Um beijo enorme repleto de afecto, da tua filha,
M.

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Relembrando os teus abraços

Querido pai,

Marca hoje o calendário 6 anos sobre a tua partida deste mundo... 6 anos que voaram, em que muito aconteceu nas nossas vidas, mas que não amenizaram as saudades.
Na minha vida anterior (que a vida contigo por perto era sem dúvida uma outra vida) nunca imaginei que fosse possível continuar a sobreviver sem te ter por perto. Sempre me considerei uma pessoa forte, mas tenho consciência de que nessa vida a minha força provinha também de saber que acontecesse o que acontecesse, teria sempre a minha "muralha protectora", a minha "fortaleza", para me ajudar, aconselhar, ou simplesmente para me aconchegar num abraço que sempre me devolvia ao calorzinho da infância.
Mantenho-me firme na promessa que te fiz quando partiste: Apesar de deixar de te ter comigo, vou ser feliz!

Um beijo cheio de lembranças e saudade
M.

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Espectáculos - "Ruca ao Vivo"

"Eu sou um rapazinho,
Embora pequenino
Tenho muito tino,
Sou o Ruca!"

(desculpem mas é contagiante... foi mais forte que eu) :-)))

Pois assim foi, no passado Sábado, juntamente com a minha irmã, fomos levar a R. a Guimarães para ver o Ruca.
Sendo verdade que a primeira reacção da R. quando lhe perguntei se queria ir ver o Ruca (já de bilhetes comprados) foi: "Naaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaoooooo, quero ir ver os palhaços", também é verdade que durante o espectáculo a pequenina mal pestanejou.
Engraçado o ambiente, uma verdadeira plateia sempre em acção, repleta de miudos daqueles tradicionais (ou seja, que não conseguem ficar quietos por períodos superiores a 10 segundos).
Gosto do Ruca... um miudo impecávelmente bem comportado, diz que às vezes faz xinfrim, mas eu nunca vi, muito amigo da mana. Sem dúvida um bom exemplo...
Senão, vejamos: hoje a minha mãe foi levar a R. ao infantário, e antes esteve a ver o Ruca na televisão. O programa terminou com o Ruca a dizer que tinha que ir embora porque ía para a escola... Remédio santo para as birras matinais: "Ó Vó, eu vou para a escolinha como o Ruca."
Até sempre,
C&C

domingo, 4 de novembro de 2007

Angústia...

Os Domingos à noite nunca foram dos meus melhores momentos em termos psicológicos, e este não é excepção. Hoje senti o preciso momento em que me invadiu uma sensação de angustia da qual até agora não me consegui libertar... Normalmente é reflectindo sobre os nossos sentimentos que conseguimos encontrar a forma de nos desligarmos dos mesmos, por isso vou fazer aqui esse pequeno exercício...
Sinto-me angustiada porque...
...é Domingo à noite, o fim-de-semana passou a correr e espera-me mais uma semana de rotinas...
... tenho as malas à minha frente ainda por desfazer. Há algum tempo que me acompanham e assim continuará a acontecer no futuro... Um dos sinais de que a minha vida está longe de se encontrar estabilizada...
... estou a tentar controlar despesas, mas a cada momento acontecem "derrapagens orçamentais". Sempre tive uma relação muito descontraída com o dinheiro, mas a partir do momento em que penso fazer um investimento "a solo" numa casa essa descontracção terá que terminar. Penso que com o hábito, deixarei de me angustiar com isto.
... tenho a minha vida suspensa por circunstâncias que neste momento estão fora do meu controlo. Posso quanto muito saber onde para o meu processo de divórcio (no Ministério Publico há 4 semanas). Mas não sei quanto mais vai demorar... Por diversos motivos este processo já se arrasta há mais de um ano, e já não é fácil de suportar a espera...
... continuo a sentir-me dividida com frequência. Felizmente já consigo juntar o D. e a R. (é tão quentinha a sensação de "quase família" que começo a ter quando os tenho comigo), mas raramente isso acontece. Entretanto, não consigo evitar as imensas saudades da minha filha, nos dias em que ela fica com o pai, apesar de isso significar que posso estar com o D.. É estranho...
Já me alonguei tanto e mais haveria a dizer. O positivo de tudo isto é que tenho a convicção de que estou no bom caminho e a determinação (que a dada altura me chegou a abandonar) para continuar a dar os passos certos. Naquilo que depende de mim não quero a vida suspensa!
Até sempre,
C&C
P.S. Em breve voltarei a escrever sobre o assunto "Casa Nova". Há novidades!!

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Coisas de mãe

Sei que ainda ninguém disse isto ;))), mas ser mãe é realmente muito complicado...
Principalmente porque às vezes parece que as nossas crianças têm um dispositivo que as programa para fazerem tudo ao contrário daquilo que mais nos conviria...
Vem isto a propósito do que tem sido até agora esta semana com a R..

Então não é que a pisca andou a dormir mal (muito mal mesmo) de Domingo até Terça-feira, deixando a mãe num estado absolutamente catatónico, a ponto de mal conseguir manter os olhos abertos durante o dia de ontem no trabalho, ficando com uma dor de cabeça descomunal por causa deste esforço... E na noite de Quarta, véspera de feriado, dormiu profundamente durante toda a noite, tendo acordado já perto das 9h (coisa rarissíma, acreditem)...

Vida díficil esta minha... mas pronto, não me posso queixar, pelo menos hoje estou descansadita!!!


Até sempre,

C&C

sábado, 27 de outubro de 2007

Filmes - "A outra margem"

Realizador: Luis Filipe Rocha
Fui ver este filme levada pela curiosidade de ver a minha terra na imponência de uma tela de cinema. Não é muito normal ir ver cinema português, e as indicações que tinha acerca da história não me levariam a ir vê-la.
Mas confesso que a história me tocou, talvez pelo simbolismo que todo o filme tem implicito.
Na outra margem encontram-se dois "marginalizados" da sociedade. Um miudo de 17 anos, que sofre de Sindrome de Down, e o seu tio Ricardo, travesti em Lisboa, cidade para onde fugiu 16 anos antes depois de ter abandonado a noiva no dia do casamento. Nada mais se soube dele, até ao dia em que a irmã foi informada de que se tinha tentado suicidar, na sequência do sofrimento que lhe causou o falecimento do homem com quem vivia. A irmã vai visitá-lo a Lisboa e convence-o a voltar à terra Natal, para conhecer o sobrinho.
No relacionamento que desenvolve com o sobrinho Vasco, Ricardo consegue reencontrar a alegria de viver.
Muito bom o desempenho de Vasco (Tomás de Almeida), um jovem ternurento que apesar das suas limitações, tem a fantástica capacidade que tantos de nós perdemos de encontrar a alegria nas coisas mais simples, de se maravilhar com aquilo que tem, sem se desgastar na busca desenfreada por aquilo que se deseja.
Tantas vezes nos esquecemos que podemos ser felizes aqui e agora, com aquilo que temos e apesar do que não temos...
Linda, imponente e maravilhosa a minha terra no grande ecrã!
(E excelente a companhia na qual fui ver este filme! Adoro-vos, meus lindos!)

Até sempre,
C&C

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Lilypie...

Primeiro vi e pensei… é um bocado piroso…
Voltei a olhar e reflecti… nem tem nada a ver com o espírito do meu blog… é mais para babyblogs… e eu aqui falo sobre a R., muitas vezes até, mas este é um blog generalista…
Voltei a apreciar… blogs com duas tiras (para familias com 2 filhos), com indicações de ciclo menstrual, com príncipes, princesas, fadas, flores e brinquedos… Continuei a achar um pouco piroso…
Um dia por curiosidade fui ver o site das tiras… experimentei construir uma exclusiva (digo eu) para a minha R…. Ahhhhhhh, tem 3 anos, 4 meses, e 4 dias… que giro!
Não resisto… é uma atracção muito intensa… mais forte que eu… Ups, já está!
Pronto, e foi assim que a partir desta semana o Cookies & Cream passou a ter uma tira indicativa da idade da minha linda fada R.(em dias, atenção… reparem na precisão)!

Até sempre!
C&C

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

No pais dos "inhos"

Diálogo de hoje no restaurante:
Funcionário - Deseja uma sobremezazinha?
Cookie - Não, obrigada. Era só um café.
F. - Um cafézinho? Sim senhora.
C. - E pode-me trazer já a conta.
F. - (sim, adivinharam) A continha? Muito bem...
Ok, eu admito que muitas vezes também trato a minha filha por R-inha ou por filhinha...
Mas ela tem 3 anos... e mesmo assim evito...
Até sempre,
Cookiezinha

terça-feira, 23 de outubro de 2007

Casa nova - Desenvolvimentos

Desde que fiz aquela declaração de amor a um apartamento, não voltei ao tema "casa nova". Isso não significa porém que não tenham existido durante estes dias avanços (e recuos) no processo.
Continuo empenhada na compra, que pretendo realizar até final deste ano. Contudo, confesso que me desencantei do tal apartamento quando o fui ver pela segunda vez. Por mais do que um motivo, sendo o principal dos quais o facto de o D., que foi comigo, não se ter mostrado minimamente entusiasmado com ele, antes pelo contrário. Além disso, verifiquei que a qualidade dos materiais não era a melhor (já me tinham chamado a atenção para isso) e que a exposição solar do apartamento era fraca (situação a que aprendi a dar atenção depois de sofrer os efeitos de uma exposição solar deficiente na casa dos meus pais). Enfim, fiquei triste, mas a verdade é que há muito poucos casos de amor à primeira vista que resultam em casamento...
E assim tenho continuado numa roda vida, na tentativa de esgotar todas as opções, mas dando preferência a apartamentos novos (que na terrinha, não são muitos, principalmente depois de fazer algumas exclusões logo à partida por motivos de localização ou de falta de qualidade).
Com muita, mas muita vontade mesmo de ter o meu cantinho, de mobilar um quarto à maneira para a minha filha...

Aqui continuarei a deixar as novidades!
Até sempre,
C&C

sábado, 20 de outubro de 2007

Nos transportes públicos...



Esta semana estive em formação num local de trabalho diferente, e optei por utilizar o comboio na minha deslocação, por um lado porque ando uma menina muito poupadinha (quem quer casa nova tem que cuidar da carteira), mas por outro porque queria mesmo experimentar, e numa semana normal de trabalho não tenho possibilidade de deixar de lado o meu fiel Toyota (companheiro de tantas viagens, presença em tantas histórias, mas infelizmente cada vez mais caro... quer pelos preços proibitivos do gasóleo, quer pelo roubo praticado em portagens a quem tem que utilizar auto-estradas todos os dias).
Talvez por estes dois motivos, fiquei surpreendida pela quantidade de pessoas que utilizam esse meio de transporte... ziliões de pessoas... de todos os estilos e feitios, mas (pareceu-me a mim) totalmente dispostas a explodir a qualquer momento... Logo no primeiro dia encontrei lugar sentada, porque entrava numa das primeiras estações... Lá ía eu totalmente distraida e ainda meio a dormir (ainda não eram 8h da manhã) e de repente vejo uma senhora com um bebé, sem lugar. Estava a levantar-me para lhe ceder lugar quando oiço uma voz (tipica de vendedora de peixe no Bolhão): "Ó meninas, toca a lebantareeee!".
Logo uma discussão enorme, eu só disse: "para me levantar precisava de ver a senhora primeiro", e logo "já estava ai prai há cinco minutos" e eu só pensava "tirem-me deste filme". Enfim, a discussão prolongou-se, mas eu já não era o alvo, porque elas tinham percebido que eu não tinha visto e que me tinha levantado logo que vi a senhora. Mas eu fico-me a sentir mal com estas coisas... a maldita consciência pesada, como lhe chama a minha irmã, e pior ainda quando verifiquei que o lugar em que eu tinha vindo sentada era de prioridade a grávidas e pessoas com crianças. Não tinha reparado, se tivesse obviamente ía sentir-me na obrigação de estar mais atenta... Enfim...
Mas depois de me adaptar às regras daquela selva, as vantagens são bem evidentes: pontualidade ao minuto, muito mais económico (o bilhete de ida e volta custou menos do que o que iria gastar só em portagens), para quem consegue dá para descansar, ler, ou até dormir uma soneca...
Só não fiquei totalmente fã por causa da confusão, mas entendo pertfeitamente que tantas pessoas optem pelo comboio nas suas deslocações diárias.
Quanto a mim, e enquanto não fizerem uma nova linha desde a minha casa até ao local de trabalho, por falta de opção, vou manter-me fiel ao Toyota... Ok, reconheço que este conceito de "fiel por falta de opção" não é muito bonito e nem sequer me fica bem... :-)
Até sempre,
C&C

Livros - "As pequenas memórias"

José Saramago

Na contra-capa deste livro, a seguinte frase do Livro dos Conselhos: "Deixa-te levar pela criança que foste".
Mais do que uma auto-biografia, este livro é realmente o que o titulo indica, um conjunto de recordações da infância e adolescência de Saramago, pontuado por pequenas curiosidades, como por exemplo o facto de o escritor ter nascido a 16 de Novembro de 1922 e não, como consta na Conservatória do Registo Civil, a 18 do mesmo mês... Coisas do Portugal do inicio de século, assim como o facto de lhe terem colocado o nome Saramago por ser a alcunha pela qual era conhecida a familia na terra, sendo que depois o pai se viu forçado a ir acrescentar esse nome ao seu, para não ficar com apelido diferente do filho.
Curiosa também a primeira incursão pela escrita do prémio Nobel, um poema que fez para uma namorada, que foi pintado num prato que lhe ofereceu: ""Cautela, que ninguém ouça, O segrado que te digo, Dou-te um coração de louça, porque o meu anda contigo."
Curioso como um homem tão culto e tão dotado para a escrita sai de um percurso de infância tão simples, tão perfeitamente normal no nosso Portugal dessa altura.
Um livro bem escrito, de um escritor que muito admiro, sobretudo pela capacidade de imaginação e descrição que tem, partindo de um cenário altamente improvável ou mesmpo impossível. Por exemplo, a separação repentina da Peninsula Ibérica do resto da Europa (em "Jangada de Pedra"), uma cegueira que afecta toda a população ("Ensaio sobre a Cegueira"), alguém que descobre alguém exactamente igual a si enquanto está tranquilamente a ver televisão ("O Homem Duplicado"), uma eleição em que todos ou quase todos os votantes optam pelo voto em branco ("Ensaio sobre a lucidez"), entre outros... Li quase tudo ("Memorial do Convento", "Evangelho segundo Jesus Cristo", "A caverna", "Todos os nomes") e dificilmente resistirei a comprar o próximo que sair.

Pontuação: 4 valores (bom, mas não é o melhor de Saramago)

terça-feira, 16 de outubro de 2007

Para marcar presença...

Ando cansada demais para escrever mais do que isto...
Mas cá fica para marcar presença!

Até sempre,

C&C


sábado, 13 de outubro de 2007

Uma vida em caixotes

Ao fim de mais de um ano, está concluida a operação de retirada de todos os meus pertences da casa do L. (a minha antiga casa). Finalmente lá consegui juntar coragem, paciência, força, estado de espirito e uma equipa de mudanças (amadora) para realizar a fase número 3 do processo, que foi sendo sucessivamente adiada porque já tinha tudo o que fazia falta no dia-a-dia...
Sinto que deixei definitivamente para trás uma fase da minha vida, uma M. que fui e que não quero voltar a ser. Aquela casa tem uma história, custou-me muito (muito mesmo) ter que sair de lá, porque tudo ali eram pedacinhos de mim... Mas agora, passado um ano, com a retirada dos meus pertences concluida, e com o projecto da casa nova, sinto que foi bom ter acontecido assim... É mais fácil reescrever uma história quando temos a página em branco, sem marcas de um qualquer passado.
Não foram só os meus pertences que coloquei em caixotes, foi uma parte da história da minha vida.

Por isso, a essa casa, a essa vida, a essa M. ... ADEUS!
Até sempre
(isto hoje foi muito pessoal, mas senti que tinha que ficar aqui)
C&C

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Uma singela homenagem

A quem...
...tem sempre um abraço amigo para me receber...
...tem duas mãos sempre disponíveis para me ajudar...
...me oferece um ombro amigo quando necessito de afogar as minhas mágoas...
...acolhe os meus sucessos com um sincero sorriso...
...faz seu o meu entusiasmo em relação a qualquer projecto...
...é o apoio mais incondicional que tenho na vida.

Um enorme abraço de carinho e gratidão.
Querida maninha, recebe o post de hoje como uma singela mas muito sentida homenagem .

Obrigada por estares (sempre) por perto!
M.

quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Filme: "The Bourne Ultimatum"



Real.: Paul Greengrass
Int.: Matt Damon, David Strathairn, Joan Allen, Julia Stiles, Chris Cooper, Brian Cox, Paddy Considine, Edgar Ramirez
Fui ver este filme com o D. e por sugestão dele no passado Sábado. Apesar de não ser propriamente o meu género de filme, admito que o vi bem atenta do princípio do fim. É daqueles filmes de acção bem realizados, com um enredo que acaba por ser interessante... Para a história, aqui fica um pequeno resumo.
Sinopse – http://www.filmesnovos.biz/
"O agente secreto Jason Bourne (Matt Damon) é perseguido por pessoas na CIA que lhe deram o seu treino de assassino. Ainda sofrendo de amnésia e determinado a descobrir a verdade acerca de sua identidade, ele parte em encontro de um contacto, (um jornalista) que tem estado a seguir o agente que lhe deu o treino. O facto de Bourne encontrar o agente que lhe deu o treino põe em risco a operação viúva negra que está prestes a começar. Para o evitar Vosen (Agente da CIA) envia agentes para tentar matar Bourne. As situação rapidamente muda assim que Bourne regressa aos USA e começa a perseguir os seus agressores."
Até sempre,
C&C

terça-feira, 9 de outubro de 2007

Para ti...

Não são precisas mais palavras... Obrigada por me libertares da minha prisão!

Um beijo com todo o amor do mundo,
M.

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Acho que estou apaixonada

Já dizia o cantor Ricardo Azevedo:

Eu só tenho que virar,
a minha vida de pernas para o par,
e procurar uma casa, para eu morar

Começando a pensar nisso como mais uma étapa deste meu "começar de novo", andei pela net, nas imobiliárias locais, a procurar apartamentos. Vi um que fica bem junto à casa da minha mãe (onde estou a morar desde que me separei), num prédio que está quase todo vendido, e lembrei-me de ligar para a imobiliária. Marquei visita para o final da tarde.
Estive a falar com o vendedor e transmiti-lhe os meus objectivos na compra, e ele falou-me de um outro prédio, recentemente concluído, onde também tinham um apartamento para venda. Fomos ver, infelizmente estava quase a anoitecer, e não consegui ver tudo ao pormenor... mas acho que estou apaixonada... É um T2, mas tem 126 m2 (todas as áreas são enorrrrrmes), bons acabamentos, segundo pude ver, fica numa zona da cidade de que sempre gostei, tranquila, com vista bonita, e o preço... bastante convidativo...
É incrível que enquanto noutras cidades os preços vão crescendo exponencialmente, na minha terrinha pouca evolução houve desde a primeira compra de casa em que participei (e já lá vão quase 10 anos). Foi sem dúvida uma agradável surpresa...
O problema é que já só há um disponível, e eu neste momento ainda não tenho condições para dizer: COMPRO! A minha ideia era apenas ir começando a ver para ficar com uma ideia das opções que tenho...
Portanto vamos com calma, às vezes tem que se colocar água na fervura das paixões, quero a opinião dos meus "Mais que tudo" e pensar bem antes de investir... Afinal, é uma casa!!!
(mas... não sei se já disse... apaixonei-me!!! LOL)

Até sempre,
C&C

Crónica de uma noite de insónias

23:15 – Apago as luzes para dormir. Um pouco mais cedo do que o habitual, mas sinto-me cansada e assim aproveito para tentar dormir um pouco mais que o normal para iniciar a semana com força (se a R. deixar, é claro)
23:50 – Estranho… já deveria estar a dormir. Não me sinto nervosa, nem agitada… mas a verdade é q o clique para o reino dos sonhos ainda não se deu…
04:00 – O tempo foi passando e eu já devo ter dormido alguma coisa, mas um sono bem leve, e pontuado por interrupções… Fico com receio. Nas últimas noites já andava a sentir o prenúncio do regresso às insónias, mas hoje está ainda pior. Não estou a cismar com nada, não me sinto particularmente nervosa, mas o sono não vem. Levanto-me, vou ao WC, e lá tomo a difícil decisão de ir tomar um dos comprimidos que tenho de reserva e que tanto orgulho tinha em ter deixado de tomar (principalmente porque o médico me tinha dito que dificilmente eu os iria conseguir deixar).
06:40 – Toca o despertador. Penso que consegui dormir mais qualquer coisa… mas sinto-me terrivelmente cansada. Só mais um bocadinho aqui na preguiça.
07:30 – Acordo com o choro da R.. Estou atrasadíssima. Levar a R. ao infantário e chegar a horas é tarefa impossível. Vou ter que recorrer à minha mãe.

O dia não está a ser fácil… Tenho receio de voltar à difícil fase das noites mal dormidas, que há uns meses foi a génese de uma fase muito complicada da minha vida…

Até sempre (a bocejar)
C&C

sábado, 6 de outubro de 2007

Folhas de Outono

Trabalho para casa (ou melhor, de exterior) para o dia de amanhã: passeio com a R. para recolher folhas de Outono, para os meninos realizarem um trabalho na escolinha.
Confesso que quando as minhas colegas se queixavam dos trabalhos de casa que os filhos traziam das escolinhas, e que as obrigavam a aplicar-se em horário pós-laboral, eu pensava sempre: quando chegar a minha vez, vou adorar estes trabalhinhos... São novas oportunidades de sermos crianças e revivermos a infância...

Chegou agora a hora de passar da teoria à prática!

Até sempre,
C&C

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Paciência

Mafalda Veiga / João Pedro Pais

Deixo hoje aqui uma letra de que gosto muito, colocada a preceito numa das melodias mais bonitas da música portuguesa dos últimos tempos:


Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma,
Até quando o corpo pede um pouco mais de alma,
A vida não pára...
E quando o tempo acelera e pede pressa
Eu recuso, faço hora e vou na valsa,
A vida é tão rara...
Enquanto todo mundo espera a cura do mal,
E a loucura finge que isso é normal,
Eu finjo ter paciência...
O mundo vai girando cada vez mais veloz,
A gente espera do mundo e o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência...
Será que é tempo que lhe falta para perceber,
Será que temos esse tempo para perder,
E quem quer saber?!
A vida é tão rara... tão rara...
Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma,
Até quando o corpo pede um pouco mais de alma,
A vida não pára...
A vida não pára não...

Será que é tempo que lhe falta para perceber,
Será que temos esse tempo para perder,
E quem quer saber?!
A vida é tão rara... tão rara...
A vida é tão rara.
Até sempre
(na busca desses mágicos momentos de calma, que se escondem da tirania dos relógios)
C&C

Há cada doido...


No outro dia, num “passeio pela blogosfera” passei por um blog em que se reportava a seguinte situação:
Um blogger português copiava textualmente, traduzindo de inglês para português, um blog de um pai de trigémeas, penso que era holandês, no fundo um diário da tripla paternidade. Deu nomes portugueses às crianças e inclusivamente utilizava todas as fotografias das meninas publicadas no blog. O homem chegava a fazer comentários nos blogs de outras pessoas como suposto pai de trigémeas.
A situação foi reportada por uma leitora do blog português que ocasionalmente acabou por ir ter ao blog original…

É caso para dizer… anda por aí cada doido… porquê dar-se a todo esse trabalho? Qual o objectivo?
É um caso, mas existirão concerteza outros… alguns até bem mais graves…
A Internet e a blogoesfera são mundos maravilhosos, mas temos que ter consciência de que tudo o que publicamos está disponível em TODOS os PC’s de TODO o mundo. Por isso eu resisto a publicar fotos e mostrar como a minha filha é linda, por isso na net eu e aqueles sobre quem escrevo perdemos os nomes próprios, e passamos a ser apenas as iniciais. Aqui sou M. ou Cookie. Nem sequer alguma vez cheguei a escrever sobre a terra onde resido, ou em concreto sobre a minha profissão…

Com todo o respeito (e até alguma admiração) por quem faz das suas vidas um livro aberto ao mundo…

Até sempre (alguns dirão que à procura de monstros por baixo da cama)
C&C

quarta-feira, 3 de outubro de 2007

Ginásio



A partir de amanhã: GINÁSIO!!!

Finalmente consegui descobrir algum tempinho livre para me dedicar a cuidar da forma física. Duas vezes por semana, e a modalidade principal será Jump-fit.

Objectivos: melhorar a forma física e aliviar um pouco o stress do dia-a-dia... Outro objectivo é não abandonar o ginásio no primeiro mês... nem no segundo... nem no terceiro... Ok, acho que já perceberam a ideia...

Já me esquecia... outro objectivo será manter-me inteira (treino aos saltos no trampolim + M. super desajeitada = perigo eminente)

Até sempre,

C&C

P.S. Em jeito de desabafo, porque nem me apetece falar ou escrever muito sobre isso... Sinto-me como se tivesse sido atropelada por um camião TIR chamado R.. Foi uma birra daquelas, gigante, gigantesca! Posso até ter uma costela de super M., mas as birras da R. são a minha criptonite. São 21h44 e a única coisa que me apetece é dormir... De preferência (acho que é pedir muito) até o despertador tocar...

Mais sobre a R. e a escola

Ainda sobre o tema de ontem, acabei por me alongar muito e mais há para dizer…

O top das frases que mais ouço à R. nos últimos tempos:

  • “Porque é que temos que ir trabalhar?” – difícil responder a esta, principalmente porque costuma ser a primeira frase do dia e eu ainda estou com os olhos meios fechados e a fazer a mesma pergunta a mim mesma;
  • "Que dia é hoje?” – já lhe expliquei que ao Sábado e Domingo a mãe não trabalha e a escolinha está fechada;
  • “Tu hoje vens-me buscar cedinho!” – normalmente já na escolinha, a chorar e a tentar agarrar-me para eu não ir embora.

Quanto a esta última frase, sou apologista de uma educação em que não se enganam as crianças. Contudo, admito que aligeirei este meu princípio, a partir do momento em que dizer “vou tentar” deixou de ser suficiente. Com o meu horário de trabalho, ir buscar a R. implicaria que ela estivesse no infantário desde que abre até que fecha (das 8h às 19h). Não quero isso para a minha filha, por isso tento sempre que alguém a vá buscar mais cedo. Ou seja, se não a vou buscar, é para o bem dela… Mas é difícil fazer entender isto a uma criança de 3 anos. Tenho tentado, mas nesta fase acabo sempre por recorrer à mentirinha sem consequência…

Além disso, no espaço de um mês, houve uma única noite em que dormiu sem interrupções… O que deixa a mamã estourada, e com o estado de espírito em rota descendente… Estou a precisar de férias outra vez…

Sei que é normal, expectável, e provavelmente até saudável… mas é desgastante… Principalmente porque o desgaste é praticamente só meu, já que o pai pouca intervenção tem… a não ser em alguns dias para a parte mais fácil e que eu adoraria poder fazer mais vezes, que é ir buscá-la.

Mas vamos andando, com a convicção que já ontem manifestei de que estamos no bom caminho…

Até sempre,
C&C

terça-feira, 2 de outubro de 2007

Um mês no infantário

Faz amanhã um mês que fui pela primeira vez levar a R. ao infantário, cheia de expectativa e ansiedade. Como cheguei a dizer, não me preocupei em demasia com o assunto, porque estava convicta de que a minha filha se iria adaptar perfeitamente bem. Não foi bem assim... Ao fim deste tempo continuo a deixar todos os dias a minha filha a chorar. Vou trabalhar de coração apertado...
Por mais que me digam, e que eu própria também saiba, que passado um bocadinho, ela fica bem...
A educadora, na reunião de pais, chegou a referir a R. como um exemplo excelente de adaptação, e tem-me dito maravilhas dela, que é participativa, que tem resposta para tudo, que come bem, que anda sempre sorridente e animada (que bem que sabe ouvir estas coisas do meu rebento).
Falei com o pediatra sobre o assunto e ele disse-me que achava sempre melhor quando as crianças reagiam às mudanças logo de inicio, porque elas acabavam sempre por reagir, e se fosse de forma tardia, poderia ser pior. Também me disse que eu tinha muita sorte, porque a R. já era perfeitamente capaz de verbalizar aquilo que estava a sentir.
Mas tenho andado a pensar: não será esta a reacção tardia à separação dos pais? Sempre me fez impressão o facto de ela nunca ter reagido de forma nenhuma, de não perguntar pelo pai... Será que agora, ao viver mais uma mudança, ela não está também a reagir à anterior??
Seja qual for a resposta a esta pergunta, eu tenho é que gerir a situação com inteligência, sem dar demasiada importância, mas acompanhando sempre.
A verdade é que já há progressos: a R. agora já fala do que acontece na escolinha, quando eu lhe pergunto como correu o dia a primeira coisa que diz é: "eu hoje não chorei mesmo nada", já me fala dos coleguinhas, a educadora já não é má, e a maior parte dos meninos são amigos... diz-me o que comeu e vai cantando as canções que aprendeu. E também já não anda tão dependente de mim em casa (nos primeiros dias nem podia ir ao WC)...
Portanto, continua em acção a Super-M., que a minha Super-R. está no bom caminho e daqui a pouco esta fase vai estar ultrapassada. (apetece dizer: Que assim seja!)

Até sempre,
C&C

domingo, 30 de setembro de 2007

Frases sentidas IV


"Livros são os mais silenciosos e constantes amigos; os mais acessíveis e sábios conselheiros; e os mais pacientes professores."
Charles W. Elliot

Na cabeceira: As pequenas memórias - José Saramago

Livros - Amar de olhos abertos

Jorge Bucay e Silvia Salinas

Este foi o primeiro livro que comecei a ler depois de ter tomado a iniciativa de os comentar no blog. Pensando nisso, e como gosto de deixar os livros exactamente como os encontrei, muni-me de post-its para ir marcando as passagens mais relevantes. Quando me dei conta, o livro já ía a meio e tinha post-its em quase todas as páginas.
Este livro foi recomendado por um psicólogo à pessoa que mo emprestou. Contém em cada página um
convite a reflectir. Em alternativa a um comentário, deixo algumas passagens do livro... falam por si:


  • "Podemos viver a vida como se fossemos um condutor de metro, sabendo exactamente onde vamos e como é o caminho. Ou como um surfista: seguindo a onda."
  • "De repente, lembrou-se do conto da tristeza e da fúria. A tristeza que se disfarça de fúria quando não quer ficar despida. Para isso ali estava o seu agastamento: tapava a tristeza, escondia a dor, dissimulava a sua impotência."
  • "Uma pedra nunca te irrita a não ser que esteja no teu caminho." - Hugh Prater
  • "Toda a relação que não favoreça a expansão do EU, que impeça o crescimento, embora seja estável ou, aparentemente, gratificante, encerra o gérmen da sua própria destruição"
  • "Será verdade que os casais se separam pelo mesmo motivo por que se unem?"
  • "... as palavras de Chogyam Trungpa, um mestre tibetano a quem uma vez perguntaram como tinha conseguido escapar à invasão chinesa arrastando-se pelas neves do Himalaia, com escassa preparação e um mínimo de provisões, sem qualquer certeza sobre o resultado da sua fuga. A sua resposta foi breve: "Pus um pé à frente do outro.""
  • "Ninguém ama sem razão. O mito de que o amor é puro instinto é um equivoco." - Ortega y Gasset
  • "Para estar vivo de verdade deves renascer e, para isso, deves morrer primeiro e, para isso, deves despertar primeiro." - Gurdjieff
  • "A inteligência de um casal passa por desfrutar do que se tem e não entrar em conflito para que aconteça o que não pode acontecer."
  • "Amar-te com os olhos fechados, é amar-te cegamente. Amar-te olhando para ti de frente seria uma loucura... Eu gostaria que me amassem com loucura." - Marguerite Yourcenar
  • "Aceitar-nos é habitar confortável e descontraidamente em nós mesmos."
  • "A confusão conduz sempre à certeza, se nos dermos autorização para estarmos confusos durante algum tempo."
  • "Amar tem a ver com a decisão de deixar entrar o outro, com baixar as minhas defesas, com abandonar a minha desconfiança, com atrever-me a sair das minhas ideias rígidas e tomar a decisão de descobrir como é, como se move e como pensa, sem tentar que pense como eu ou que faça o que eu penso. Tem a ver com não tentar forçar-me a ser como eu creio que ele gostaria que eu fosse."
  • "É necessário aceitar sem falta modéstia que o que torna o presente tão especial e tão diferente do passado e do futuro é, sem sombra de dúvida, a minha presença."
  • "O pior das nossas crenças aprendidas e repetidas de pais para filhos é que se supõe que vamos em busca da nossa outra metada. Porque não tentar encontrar o outro inteiro em vez de se conformar com alguém partido pela metade? O amor que propomos constroi-se entre seres inteiros que se encontram, não entre duas metades que precisam uma da outra para se sentirem completas. Quando preciso do outro para subsistir, a relação torna-se dependente. E na dependência, não se pode escolher. E sem escolha não há liberdade. E sem liberdade não há amor verdadeiro. E sem amor verdadeiro, poderá haver matrimónio, mas não haverá casal."

Um livro que faz pensar, e quem sabe se não poderá trazer algo de útil para aplicar às nossas próprias vidas.

Pontuação para o livro: 5 pontos

Até sempre,

C&C