Lilypie Kids Birthday tickers

Lilypie Kids Birthday tickers

Lilypie First Birthday tickers

Lilypie First Birthday tickers

sábado, 27 de março de 2010

Não é para vos irritar...

... é só mesmo para informar que este blog se encontra oficialmente de F-É-R-I-A-S!!!!! (e a banhos em praias que espero que sejam mesmo como a imagem acima)
As férias começaram de uma maneira fantástica, entre amigos muito queridos e divertidos, numa noite bem animada...

Voltarei depois da Páscoa, espero que com muitas novidades!
A todos que por aqui passam: sejam felizes!!!

Até sempre,
Cookie

sexta-feira, 26 de março de 2010

Dos amigos

Quanto mais dou de mim, mais recebo em troca!
E isso é tão mas tão bom...
Até sempre,
Cookie

quarta-feira, 24 de março de 2010

Voltando aos elásticos

Anda uma pessoa a fazer considerações e algum experimentalismo baseado na teoria do elástico, esquecendo-se que corre o risco de o dito nos rebentar em cheio na cara...
E isso, caros amigos, é coisa para aleijar (como diz o outro). Valha-nos o humor, polvilhado de auto-controlo, para ajudar a minimizar os danos :-)))

Até sempre,
Cookie

terça-feira, 23 de março de 2010

Entre homens e mulheres


... diz-se que existem "relações", ou "ralações"?

Às vezes fico na dúvida :-)))

Até sempre,
Cookie

domingo, 21 de março de 2010

Se é assim, tudo bem

Ao dar uma vista de olhos no Horoscopo de uma publicação que veio parar cá a casa dentro de um saco de compras (e portanto de elevada credibilidade), verifico que para o signo Virgem e no que respeita ao amor, o conselho é:

"Actue com naturalidade; o seu magnetismo e sensualidade vão fazer o resto"

De modos que fico tranquila. É só passear-me com o meu enorme charme e poder de sedução e não preciso de me preocupar com mais nada :-)))

Até sempre,
Cookie

Walking...

... para combater a letargia que hoje veio em força.
... para arejar as ideias, que bem precisam.
... para fazer com que as horas que faltam até eu estar com a minha filha outra vez passem mais depressa.
... para fazer a minha mãe sair de casa.
... para apanhar ar puro.
... para compensar o não ter ido ao ginásio ontem de manhã.
... para experimentar um circuito pedestre novo cá da terra, que dizem que tem óptimas condições e vistas maravilhosas.

Aqui vamos nóoooooooooooooooooooooooooooooooos :-)))

Até sempre,
Cookie

Ainda bem...


... que estas coisas apenas estão em comercialização durante umas semanitas por ano. Caso contrário, não haveria dieta que resistisse. É que não consigo comer menos que umas 10, de cada vez :-)))
E agora que as minhas provisões terminaram, eis-me a caminho do supermercado, comprar mais :-)
Até sempre,
Cookie

sábado, 20 de março de 2010

Frases sentidas #33

Em complemento ao post anterior, e a propósito do comentário da Mi:

"Para sempre é composto de agoras."
Emily Dickinson

Até sempre,
Cookie

Sobre as relações

Excerto do livro Homens, Dinheiro e Chocolate, de Menna Van Prag. O meu "sabor" do momento...

"... hei-de apaixonar-me muitas vezes na vida e talvez nunca assente, mas não devo preocupar-me com isso. Se eu aceitar o amor sem o tentar encaixar nas expectativas da sociedade, então serei verdadeiramente feliz.
- É uma bela ideia - reflectiu Maya - Mas não te incomoda a hipotese de nunca vires a ter uma relação que dure uma vida inteira?
- Sabes, na verdade acho-a libertadora, abrir mão de tentar criar o conto de fadas supremo. É um alivio. Deixar de andar à procura de homens, tentar encurralá-los e de os mudar. Agora posso parar com tudo isso e limitar-me a amá-los."

Acho que é mesmo assim que tem que ser. Talvez a relação perfeita exista, mas fará sentido andarmos a tentar encontrá-la a toda a força? Tentar encaixar alguém naquilo que é o nosso ideal, tentar pressionar para que mude naquelas pequenas coisas com que não nos identificamos? E se entretanto o conto de fadas acontecer mesmo, é porque foi assim que teve que ser...

Até sempre,
Cookie

quinta-feira, 18 de março de 2010

Dia do Pai

Como amanhã não devo ter tempo para cá vir, deixo hoje a minha pequena homenagem aos papás que por aqui passam, e em especial ao meu cunhado e ao meu amigo RS, que assinalam, pela primeira vez, o Dia do Pai junto dos seus rebentos. Em articulação com a R. :-) deixo-vos a letra da musica que ela andou a cantarolar toda a semana. A musica é a do "Não há estrelas no céu", do Rui Veloso. A letra é assim:

"Ó papá tenho um segredo
Que hoje te vou contar
Quando vou para a cama à noite
Quero contigo sonhar

Ó papá brinca comigo
À bola ou ao pião
Gosto de brincar contigo
Pois és o meu amigão

Tenho saudades tuas
Quando tu vais trabalhar
Queria ficar contigo
Em casa para brincar

Um pai é um amigo
Todos dizem com razão
Ele gosta muito de nós
Do fundo do coração

Ó papá, eu gosto de ti
Eu gosto de ti
Eu gosto de ti-i-i-i-i,
Eu gosto de ti"

Para o meu pai, aquele abraço. Porque no meu coração, estarás vivo eternamente...

Até sempre,
Cookie

Amigas?!?!?!?!?

Sempre tive a mania de que consigo tirar a pinta às pessoas logo à primeira vista, e na verdade, até agora, nunca me enganei.
Mas por estes dias, deparo-me com uma situação estranha. De repente, uma pessoa que rotulei, logo que nos conhecemos, como má-lingua, e não confiável, apesar de muito divertida e óptima para a galhofa, começa a querer desabafar comigo, chamando-me amiga, e dizendo que gosta muito de mim... E eu fico assim sem saber bem o que fazer. Não sei (e acho que nem quero saber) negar "o ombro" quando mo pedem, pessoalmente não tenho nada contra ela, e até já nos divertimos bastante... Mas amizade... é uma coisa muito séria...
Acho que vou manter o pé atrás. O que significa que a deixo aproximar-se, desabafar, partilhar comigo aquilo que a inquieta, mas mantenho "as minhas coisas" para mim. Assim fico de consciência tranquila, e protejo-me...
Até sempre,
Cookie

Tanta coisa...

Tanta coisa (sobretudo boa) a acontecer na minha vida ao mesmo tempo!
Adoro conhecer pessoas novas! Adoro conviver com amigos! Adoro dizer e ouvir "gosto mesmo de ti"! Adoro sentir que o meu ombro é "útil" a alguém! Adoro brincar e rir com a minha filha! Adoro estar quase de férias! Adoro sentir que a felicidade é feita de pequenos momentos especiais! Adoro viajar! Adoro... VIVER!!!!!!

Só tenho algum receio de não conseguir corresponder da melhor forma, e com a disponibilidade merecida, a todas as solicitações que tenho tido... Mas vou dar o meu melhor!!!

Até sempre,
Cookie
PS - Só não adoro os meus vizinhos de cima. Eu aqui tão feliz... e eles aos gritos. É hoje que a casa vai abaixo :-)))

quarta-feira, 17 de março de 2010

Só a mim...

Por momentos, esta noite, imaginei-me a ter que revirar a casa toda, em busca do passaporte da R. (que por alguma inusitada razão não se encontrava no devido local, junto ao meu). Imaginei a correria em que ía ter que andar, caso não o descobrisse, para conseguir um novo antes de férias. Lembrei-me que só por não o encontrar hoje já ía ter prejuizo...
Felizmente a casa é pequena e os lugares óbvios não eram muitos, e passados uns 5 (desesperados) minutos lá o encontrei, no envelope onde coloquei a papelada que trouxemos da última viagem.
Nota para mim mesma: Se calhar já ia sendo altura de eu me tornar um bocadinho menos desorganizada, não?
Até sempre,
Cookie

terça-feira, 16 de março de 2010

A três

A pretexto da consulta da R. no pediatra, hoje fomos jantar juntos: mãe, pai, e o nosso pequeno tesouro. Não nos cumprimentámos, mantendo a (estranha) tradição iniciada quando nos separámos. Quase não nos olhámos nos olhos. As conversas foram pouco mais que circunstanciais. A nossa amizade nunca será normal... Há demasiada(s) história(s) lá para trás, no nosso passado. Há o peso do "para toda a vida" prometido e não concretizado. Há demasiadas diferenças, ampliadas depois do divórcio, e que fazem com que a nossa relação se assemelhe, por vezes, a um campo minado, no qual nunca se sabe onde ou quando vai ocorrer a próxima explosão.
Mas há duas coisas bem mais importantes que tudo isto: ambos colocamos a nossa filha acima de tudo... e cada um de nós apenas deseja tudo de bom ao outro. Tenho plena convicção de que assim é.
Foi agradável, apesar de estranho. O luminoso sorriso da R. e a felicidade que se sentia nela por poder dar a mão ao pai e à mãe ao mesmo tempo, fez com que cada segundo valesse a pena!

Até sempre,
Cookie

segunda-feira, 15 de março de 2010

Googlei-me


Num daqueles momentos de letargia que por vezes me assaltam à noite, principalmente quando estou a precisar urgentemente de férias, resolvi ir ao Google e inserir o meu nome. E não é que me encontrei? É verdade que não foi em sitios particularmente interessantes, mas ambos bastante respeitosos...
... no site da faculdade onde estudei, no qual se indica que a minha licenciatura está concluída (sempre queria ver se assim não fosse, ainda era hoje que descobria que afinal ainda me faltava uma ou duas cadeiritas).
... no Diário da República (?!?!?!?), como um dos membros da Ordem Profissional à qual pertenço.

Experimentem, e depois contem-me o que encontraram.

Até sempre,
Cookie

Parecenças

Cresce o número de pessoas que me dizem que a minha filha está a ficar cada vez mais parecida comigo.
Por mais que eu duvide, ou até que veja as diferenças, sabe tão bem ouvir... :-)

Até sempre,
Cookie

domingo, 14 de março de 2010

Bonito... sim senhor...

Em tarde de Sol e calor, fui com a R dar uma voltinha à cidade, tomar café e ver o ambiente. Andava a R a correr atrás dos pombos no centro da cidade, quando eu visualizo um cliente. Como ele não me vê, disfarço enquanto penso que, afinal, trabalhar fora da terra tem grandes vantagens. Pelo menos é rarissimo sair de casa ao Domingo e dar de caras com "o trabalho" . Volto a olhar, porque me parece que algo não está certo. O cliente é um troglodita daqueles que por certo até bate na mulher, e hoje estão muito românticos, tranquilos no seu passeio domingueiro. Algo não bate certo... Passados mais uns segundos percebo o que está errado naquele quadro. Aquela não era a mulher dele... Dou graças por não o ter ido cumprimentar e acabar por enfrentar uma situação constrangedora... Bonito... sim senhor...
Só não sei é se da próxima vez que ele aparecer no meu local de trabalho, eu vou resistir a perguntar-lhe: "Pareceu-me vê-lo na minha terra no passado Domingo, Sr F. Esteve lá?" Só para o ver atrapalhado :-)))

Até sempre,
Cookie

sábado, 13 de março de 2010

O mais dificil...

Hoje fui ao ginásio e encontrei lá a R., que estava a passar os seus dois dias semanais com o pai. Cheia de saudades minhas, disse-me que queria vir logo comigo. Mas depois, quando se foi despedir do pai, ficou com um ar tão triste... Quando a questionei sobre o que se passava, disse-me que gostava era de ficar com os dois. Foi tão complicado senti-la tão triste e dividida... A minha filha sempre lidou de uma forma fantástica com a separação dos pais, tanto que nunca nos habituamos a este tipo de reacções. Quando lhe dizia, mas filha, se quiseres ficar com o pai, a mãe vem-te buscar à hora do costume, daqui a pouco já estamos juntas outra vez, o seu olhar mantinha a tristeza. Aquela carinha só me dizia que não queria ser obrigada a fazer aquela escolha. Só não propus ao pai irmos almoçar juntos logo de seguida porque a namorada dele também lá estava e pronto, não consigo imaginar situação mais confrangedora. Mas vou fazê-lo em breve. Porque se apesar de tudo, nos continuamos a relacionar, não vejo porque vedar à minha filha a possibilidade de estar com os pais, juntos, e com um relacionamento cordial e amigável. E talvez tentar finalmente por em prática aquilo que sempre achei: lá por termos sido um péssimo casal, isso não significa que não podemos ser amigos.

Até sempre,
Cookie

Sunshine day

Gostava de não ter tanto sono e alguma dor de cabeça, para conseguir aproveitar da melhor forma este dia maravilhoso, com este delicioso perfume a Primavera.
Quem manda deitar tarde (e levantar cedo)???

Até sempre,
Cookie

Em resumo

... uns são feios
... outros são burros
... uns são casados ou comprometidos
... outros são muito novos
... uns são porta-chaves (vulgo de estatura reduzida)
... outros moram muito longe
... uns são gays
... outros são ceguetas ou "babões"
... outros ainda são uns sacanas de primeira

Se continuar com este nível de exigência, quer-me parecer que vou continuar "solteirinha" (e feliz da vida) durante muitos e bons anos...

Até sempre,
Cookie
PS - E estas foram as categorias excludentes de que me lembrei depois de uma divertidissima "ladies night". É bem provável que existam outras que não me estejam a ocorrer de momento... :-)))

sexta-feira, 12 de março de 2010

A falta que às vezes faz um homem #3

Chego a casa tarde e más horas, depois de um delicioso jantar com uma amiga querida. Nunca mais me lembrei disto mas de manhã o autoclismo pareceu-me avariado. Depois de usar o WC continua a sair água por todos os lados. Não conseguindo encontrar a torneira que fecha a circulação da água (ou melhor, eu sei onde ela está, mas fica por trás de uma gaveta, dentro de um móvel, que eu não consigo retirar do sitio), vejo-me já na disposição de partir aquilo tudo. Porque com a barulheira da água a correr, palpita-me que esta noite não vou conseguir dormir...
(aqui não era só um homem que era preciso, era mesmo um homem com talento para a bricolage, especialização em trabalhos de pichelaria)

Até sempre,
Cookie
PS - Num momento de clarividência, decidi ir cortar a água fora do apartamento. Espero amanhã não me lembrar disto só quando já estiver pronta a entrar para o banho... :-)))

quarta-feira, 10 de março de 2010

Frases sentidas #32


"Os homens perdem a saúde para juntar dinheiro, e depois perdem o dinheiro para a recuperar. Por pensarem ansiosamente no futuro, esquecem o presente, de tal forma que acabam por nem viver no presente nem no futuro.
Vivem como se nunca fossem morrer e morrem como se não tivessem vivido..."
Confúcio

Conheço quem viva desta forma, aliás perdi imenso tempo da minha vida a tentar fazer ver isto mesmo a essa pessoa. Mas lamentavelmente, acho que só se vai aperceber de que assim foi quando já for demasiado tarde... ou quando perder alguém demasiado importante. É pena que assim seja, mas as vezes só um acontecimento drástico nos faz colocar a nossa vida em perspectiva.

Até sempre,
Cookie

terça-feira, 9 de março de 2010

Caixinha de surpresas #1

Como muitas vezes me falta imaginação para dar o nome aos posts, acho que vou tender a organizá-los por rubricas. Esta vai ser para as pequenas histórias de que é feita a minha convivência com a R, que já deu tantos e bons posts (para mim, pelo menos). Momentos preciosos que quero guardar para sempre no meu coração...

Aqui ficam dois episódios da noite de hoje:

"Mãe, eu já sei contar de 100 até 1". Com um ar incrédulo, digo, "se calhar não sabes, filha" (nunca a tinha ouvido a contar correctamente do 1 até ao 100, quanto mais ao contrário). "Ai sei, sei... Queres ver?" Direitinho e quase sem parar, lá foi fazendo a contagem decrescente, perante os meus olhos e ouvidos pasmados... A miuda é mesmo esperta...

Em jeito de brincadeira, costumamos imitar as vizinhas do andar de cima, uma mãe e duas filhas que se relacionam aos gritos. Hoje, estava eu a secar-lhe o cabelo, depois de nos rirmos mais um bocadinho com as imitações, digo-lhe eu. "Ainda bem que nós somos tão amigas. E daqui por 10 anos, será que ainda vamos ser assim amigas? E daqui por 20?"
Em resposta (a melhor de todas) agarra-se às minhas pernas num abraço bem apertado... De imediato baixo-me para lho retribuir. Quem dera que a resposta a esta dúvida tivesse a simplicidade e a intensidade de um abraço...

Até sempre,
Cookie

segunda-feira, 8 de março de 2010

Por estes dias...

... revejo-me nas palavras de Rita Red Shoes, quando diz:

I choose to hide
But I look for you all the time
I choose to run
But I'm begging for you to come

...

Até sempre,
Cookie

O som mais bonito do mundo

... é o da gargalhada da minha filha :-))) Tenho dito!

Até sempre,
Cookie

domingo, 7 de março de 2010

Impressões da viagem

750 kms depois, mais coisa menos coisa, cá estou eu de regresso. À chegada, partilho convosco algumas reflexões...

... devia ter dado razão a quem me disse "porque é que não vais de comboio?". As minhas pernas teriam agradecido, e a carteira também. Quis experimentar as duas alternativas, para poder comparar - definitivamente, e apesar de ficar mais condicionada em termos de horários, para a próxima opto pelo Alfa...

... a dentista da família, com a sua meiguice e o seu olhar doce e tranquilo, foi muito bem sucedida com a R. Conseguiu extrair o dentinho sem uma única lágrima. A R veio feliz com o seu "diplema" (como ela diz) de bom comportamento, e orgulhosa com o tesouro (o dente) que vai fazer com que pela primeira vez, esta noite, a nossa casa seja visitada pela fada dos dentes :-)))

... adoro a minha madrinha. A nossa relação sempre foi especial, desde que me lembro, porque sempre a vi como a miuda da familia, pelo seu espirito alegre e bem disposto. Hoje temos conversas de mulheres, que sei que ambas apreciamos, e só tenho pena que a vida nos tenha colocado, desde sempre, fisicamente tão distantes... Porque ela é sem dúvida uma das mulheres mais especiais da minha vida. Aqui fica a promessa de que farei tudo o que estiver ao meu alcance para que, apesar da distância, o nosso contacto seja cada vez maior. Vim pelo caminho já a pensar na minha próxima visita!

... está um tempinho fabuloso... Ontem fui todo o caminho alternando os óculos escuros, com a ligação do limpa pára-brisas. Hoje, se a viagem tivesse sido feita com luz do dia, teria acontecido a mesma coisa...

E agora vou descansar, que amanhã é dia de trabalho, e bem preciso...

Até sempre,
Cookie

sexta-feira, 5 de março de 2010

Rumo a sul

... para conviver com a familia de quem tanto gosto e que vejo tão pouco.
... para levar a minha princesa (que quando for grande quer ser patinadora de gelo :-))) a ver um espectáculo "on ice".
... para levar a R. e os seus dentinhos (já são dois a abanar, e um novo a nascer, sem espaço para ele) à consulta na dentista da familia.
... para, se houver oportunidade, encontrar-me com um velho amigo, mas não um amigo velho, que já não encontro desde o jantar de 10 anos de curso.

Domingo volto...

Até sempre,
Cookie

Amizade depois do amor

A minha experiência de vida diz-me que é muito dificil manter a amizade com alguém depois de ter havido algo mais com essa pessoa. Com o meu ex-marido, a relação resume-se a assuntos relacionados com a R e mesmo assim é quase como se vivessemos naquilo que poderia chamar uma "trincheira silenciosa", na qual nunca se sabe quando é que vem bomba, a única coisa que sabemos é que quando ela chegar, vai fazer pouquissimo barulho... Com o D., a amizade permanece, mas o distanciamento foi drástico e parece-me incontornável. Ele sabe que eu estou aqui se ele precisar de mim, e eu também sei que posso contar com ele, mas no dia-a-dia pouco falamos e as conversas resumem-se à resolução de pequenos problemas ou conversa quase de circunstância.

Pergunto por isso, é possível uma relação que já foi de amor ou paixão transformar-se em (ou voltar a ser) amizade?

Até sempre,
Cookie

quinta-feira, 4 de março de 2010

Limpeza

Hoje passei duas horas no ginásio. Era para ter sido apenas uma, mas aborreci-me antes de entrar e a segunda hora justificou-se. Durante esse tempo, enquanto treinava quase até à exaustão, ía limpando da minha mente situações que me incomodam, pessoas que me irritam, problemas que teimam em não desaparecer e tardam a ser resolvidos...
Saí de lá como nova... O exercício físico pode ser muito bom para o corpo, mas é pelo nosso espírito que faz milagres...

Até sempre,
Cookie

quarta-feira, 3 de março de 2010

Um post sobre futebol... ou talvez não

Hoje numa conversa à hora do almoço dei-me conta do seguinte: durante o Mundial de Futebol de 1994 comecei a namorar com aquele que veio a ser o meu marido; durante o Euro 2004 nasceu a minha filha.
Será que, no ano 2010, o Mundial de África do Sul reserva alguma agradável surpresa para a minha vida? Ou será que isto funciona apenas de 10 em 10 anos, e nesse caso terei que esperar por 2014 (seja lá o que é que vai haver de futebol nesse ano)? :-))))

Até sempre,
Cookie

PS - Pronto, afinal não era bem sobre futebol... É que eu de futebol, como a maior parte das nativas de Vénus, não pesco mesmo nadaaaaaa...

terça-feira, 2 de março de 2010

Teoria do elástico

Há uns anos atrás, li um livro de John Gray, chamado "Os homens são de Marte e as mulheres de Vénus". Adorei o livro, infelizmente emprestei-o a uma amiga que na altura andava desencontrada no seu casamento (acho q ainda anda, eu entretanto é que mudei de estado civil), porque achei que a poderia ajudar, e infelizmente por lá ficou - o livro.
No livro, entre outras coisas, o autor falava sobre aquilo a que chama a Teoria do elástico. Basicamente tem a ver com o facto de alguns homens se sentirem desconfortáveis com um contexto de muita intimidade, e terem necessidade de se distanciar (de se retirarem para a sua caverna, como ele diz) quando sentem que estão a entrar nessa zona de desconforto. Por seu turno, as mulheres muitas vezes não entendem esse distanciamento, sentem-se inseguras e acabam por pressionar. Mas fazer com que o homem se sinta errado por ir para a sua caverna apenas acaba por reforçar a sua necessidade de se recolher novamente.
Os homens instintivamente precisam de se afastar para depois se voltarem a aproximar, não é uma questão de falta de amor, é simplesmente uma necessidade, de autonomia e independência.
Quando um homem volta, ele retoma o relacionamento no mesmo grau de intimidade em que estava antes de se esticar para longe. Se compreendido, esse ciclo masculino enriquece o relacionamento, mas como a maior parte das vezes é mal compreendido, cria problemas desnecessários.

Na experiência que vou tendo, tendo a achar que é mesmo assim que funciona. Tenho tentado respeitar o afastamento masculino, apesar de o mais óbvio ser confundi-lo com distanciamento. Eu sou mesmo de Vénus, e eles de Marte... E era tão mais fácil de vivessemos todos no mesmo planeta...
Gostava de ter as vossas opiniões: Homens (os poucos que ainda devem permanecer por aqui depois dos últimos ataques), isto aplica-se? Mulheres, conseguem deixar os vossos homens esticarem os elásticos de forma tranquila?


Até sempre,
Cookie

segunda-feira, 1 de março de 2010

Sorrisos

Quando saí da primeira empresa onde trabalhei, um dos meus colegas escreveu no postal de despedida que aquilo que mais admirava em mim era o facto de eu nunca ter perdido a capacidade de sorrir. Nunca me esqueci disto, porque, apesar de nem sermos muito próximos, eu vivia nessa altura a pior fase da minha vida, tinha perdido o meu pai há poucos meses e a doença da minha mãe já era bem evidente. Que numa altura tão negra, alguém destacasse o meu sorriso como um dos meus pontos mais fortes, era um enorme elogio, apesar de me parecer estranho.

Hoje de manhã, quando vestia a R., que acordou muito bem disposta, e me deixava contagiar pelo seu sorriso, apesar de ser segunda-feira, pensava que, sendo nós parecidas ou não (é tema que não suscita consensos), uma coisa ela sem dúvida herdou de mim. Um sorriso sempre presente, limpido, transparente e contagiante... Simplesmente delicioso...
Que, tal como eu, o saiba manter sempre...

Até sempre,
Cookie