Lilypie Kids Birthday tickers

Lilypie Kids Birthday tickers

Lilypie First Birthday tickers

Lilypie First Birthday tickers

segunda-feira, 19 de março de 2012

A última vez que te vi sorrir

Fez este Domingo uma semana que te disse: "já sabe que vai ter mais um bisneto, Vózinha?". Tu sorriste, aquele sorriso tão meigo, tão sereno, aquele brilho nos olhos tão parecido com o que o meu pai também tinha. "Nasce em Setembro", disse-te eu, enquanto em pensamento te pedia para por favor te aguentares até lá. No fundo sabia que te estava a pedir mais do que o teu corpo tão cansado nos conseguiria dar. E assim foi. Ontem a tua luz, já tão trémula há meses, apagou-se. No céu temos mais uma estrela.
Contigo apagou-se a esperança de que o meu filho viesse a conhecer um ascendente direto pelo meu lado paterno. Mas memórias não faltarão.

Descansa em paz, querida avózinha. Por cá ficamos, já com tantas saudades…


E entre tantas, fico com esta memória, tão bonita, da última vez que te vi sorrir.
M.

sexta-feira, 16 de março de 2012

Da barriguinha...

A principal diferença que notei até agora entre a primeira e a segunda gravidez foi que a barriguinha apareceu muito mais cedo. Da primeira vez com 20 semanas ainda quase ninguém notava que eu estava grávida. Estou com 13 e ainda ninguém me perguntou diretamente, mas já reparei em alguns olhares apontados nessa direção, que denotam a dúvida na cabeça das pessoas "grávida? gorda?", e lá optam por não questionar. É verdade que engravidei com mais 4 kgs do que da primeira vez (ai a idade que não perdoa) mas acho que não é por aí. Além disso até agora quase não aumentei de peso. Toda a gente diz que na primeira vez se nota mais tarde.


De resto, os sintomas são muito semelhantes. O primeiro mesmo foi adormecer à noite no sofá, coisa que não me costuma acontecer. Também fui sentindo alguns enjoos, mas tão ligeiros que nem me posso queixar. Tenho é q fazer mais refeições e comer menos de cada vez. Se fizer isso sinto-me lindamente.


Também já tenho todos os resultados dos exames que fiz (ecografia morfológica, rastreio do primeiro trimestre, análises). Para a semana vou levá-los à médica. Mas pelo que me parece está tudo bem, e provavelmente nem se vai colocar a questão da amniocentese, que me andava a provocar alguma ansiedade.


Até agora, tal como da primeira vez, está a ser mais uma gravidez de luxo... E desta vez com tanto miminho, que até a massagens às pernas cansadas já tenho direito... Q maravilha!!!


Quanto ao sexo do bebé, parece-me os que nos rodeiam andam mais entusiasmados com isso do que nós próprios. Tanto que já brincamos dizendo que aceitamos apostas. Acho que todos pensam que como temos duas meninas, desta vez preferiamos um menino. Mas não... não nego que tenho curiosidade, claro que sim, até porque tenho vontade de lhe comprar coisas e preferia fazê-lo depois de saber o sexo. É mesmo como diz o povo, que seja perfeitinho... e coma e durma bem, se não for pedir muito. :-)))


Menino ou menina... é um pedacinho de paraíso que tenho a sorte de trazer dentro de mim... o fruto tão desejado de um amor que parece não ter limites...




Até sempre,


Cookie

quarta-feira, 14 de março de 2012

Só mais um esforço...

Falta cerca de 1 semana e meia para ir de férias. O trabalho até lá é tanto que me parece quase impossível conseguir deixar a "casa arrumada". Por isso, Cookie Maria, coisa que não te é permitida a partir de agora são momentos de desconcentração.


Vamos, lá, 100% focada (no trabalho, para depois me focar a 100% numa deliciosa semaninha de férias)!!!


Até sempre,

Cookie

segunda-feira, 12 de março de 2012

Coisas de mãe babada

Ontem passamos a tarde na casa da minha avó paterna. Uma tarde deliciosa, diga-se, cheia de sol, risos e brincadeiras de crianças, conversas agradáveis em família, que me é cada vez mais querida...

Antes do jantar, o meu primo chama-me à sala do fundo para ir apreciar uma cena que me deixou completamente embasbacada...

A minha filha (2º ano de escolaridade) a ajudar o meu outro primo (um bom aluno do 6º ano de escolaridade) a fazer os trabalhos de Matemática, e a chegar às respostas certas, antes dele!

Eu já sabia que a miuda era inteligente... mas ontem fiquei sem palavras... e sem argumentos...

Ao mesmo tempo, lá tive que lhe explicar, quando ela começou a afirmar que era uma ótima aluna, o inestimável valor da modéstia... :-))))


Até sempre,

Cookie

quinta-feira, 8 de março de 2012

12 felizes semanas

É com um enorme sorriso que partilho convosco a maior alegria que este ano 2012 me trouxe. Pela segunda vez, vou ser mãe, vivo a felicidade de gerar um bebé dentro de mim. Um sonho que admito que sempre tive, mas que pelas vicissitudes da vida chegou a estar esquecido… e que a vivência deste amor tão tranquilo e completo ao lado do J me permitiu voltar a despertar. Estamos muito felizes, os dois, tal como as nossas meninas, desde o primeiro momento.
A noticia, esperada já há alguns meses, chegou no dia 18 de Janeiro, precisamente 9 meses depois do dia do nosso casamento, e foi acolhida entre abraços e lágrimas de felicidade.
Ontem completei as 12 semanas de gestação, tempo que tem sido muito tranquilo e em que à parte uns enjoos, e um cansaço um pouco fora do normal, me tenho sentido muito bem.
Hoje fui fazer a ecografia do 1º trimestre, de lágrimas nos olhos ao testemunhar o milagre da vida que toma forma dentro de mim…
Tão encantada… tão apaixonada pelo meu bebé… como da primeira vez…

Para todos, até sempre,
Cookie

Para ti, querido J, por ao meu lado tornares real este sonho… obrigada… a ti devo toda esta felicidade!
Amo-te muito
M.

quinta-feira, 1 de março de 2012

Ser mãe

Vem este post a propósito do que li num blog sobre o "lado mais negro" da maternidade.
Ser mãe é dos maiores desafios que se tem na vida, e daqueles em que tantas vezes nos interrogamos se estamos a tomar as opções corretas ou a desempenhar bem o nosso papel. Tantas dúvidas que surgem, em tantos momentos, logo desde o nascimento…
Com a R. o amor surgiu no primeiro instante, diria mesmo que logo que vi os dois risquinhos no teste de gravidez. Caramba, precisava tanto dela na minha vida... A gravidez foi como um raio de sol surgido num céu de tempestade.
Nem tudo foram flores quando ela nasceu. A R. não era uma bebé fácil, passava imenso tempo acordada, parecia que já tinha nascido habituada a colo, dava-me banhos de papa e de sopa, das noites nem me queixo muito, mas sonos de noites completas só depois dos 3 anos… E (culpa minha) a partir de determinada altura habituou-se a adormecer sempre acompanhada, o que me condicionava a ir para a cama sempre ao mesmo tempo que ela.

Nunca foi uma bebé perfeita… mas eu digo tantas vezes que ninguém é perfeito, e que não se pode esperar a perfeição de ninguém… Porque é que ela haveria de ser diferente?

O meu amor por ela sempre foi incondicional e superou em intensidade qualquer outro sentimento que alguma vez tive, mas havia, e continua a haver momentos de quase desespero, momentos em se perde a calma e se dizem coisas que verdadeiramente não se sente.

A R. é uma criança de afetos, não é uma menina prática e despachada. É sensível, adora mimos, mas é muito dependente e se tiver alguém que lhe faça as coisas (vesti-la, calçá-la, dar-lhe banho) ela não toma a iniciativa de fazer nada - lembro que tem 7 anos e meio. Além disso é muito distraída e eu tenho que lhe estar constantemente a chamar a atenção para que ela não se perca em devaneios e se esqueça do que está a fazer. E para comer às vezes leva horas… E isto, anos a fio, é cansativo e desgastante.

Também é verdade que nada muda mais a nossa vida do que ter um filho. Por mais desejado que seja, é natural que muitos casais não estejam preparados para uma mudança tão radical. É limitador, condicionante, e acaba por implicar que outros sonhos sejam esquecidos ou pelo menos adiados.

Mas há momentos, e são tantos, em que tudo se esquece, e em que este amor, o maior de todos, vem ao de cima com todas as suas forças.
Ainda hoje ela levantou-se, ensonada e despenteada, e sorriu para mim. Eu abri-lhe os braços e disse-lhe "adoro-te minha pequenina". Ela abraça-me e na sua voz tão doce diz-me "eu também te adoro, mamã querida". E eu sinto-me, simplesmente, a mãe mais feliz do mundo…


Até sempre,

Cookie