Lilypie Kids Birthday tickers

Lilypie Kids Birthday tickers

Lilypie First Birthday tickers

Lilypie First Birthday tickers

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Sem palavras...

Eu hoje ía escrever sobre a minha filha R., sobre como ando contente com ela, mas entretanto deparei-me com isto http://www.o-nosso-baby.blogspot.pt/ e fiquei sem palavras.
Andamos tantas vezes insatisfeitos com tantas (insignificantes) coisas, e não percebemos que algo que parece tão simples, que é ter filhos saudáveis, é um gigante, um enorme, o maior de todos, motivo de felicidade.

Para o pequeno Simão desejo que tudo corra da melhor forma possível, aos pais muita coragem...

Até sempre,
Cookie

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Oficialmente de dieta

Passadas que estão as 6 semanas que a médica me indicou que eram o tempo necessário para a recuperação integral, parece que alguém se esqueceu de dizer isso à minha balança, que teima em permanecer 4 kgs acima do peso inicial da gravidez, e 6 acima do peso que eu gostaria de ter.
Não é fácil fazer dieta em casa, com comida sempre por perto, e com a minha necessidade de comer doces sempre que me sinto um pouco mais carente, o que agora parece ter tendência a acontecer quase sempre que o meu filho chora.
Mas bom, é tempo de enfrentar este problema, e é se quero voltar ao trabalho em forma. Com calma e sem medidas radicais, até porque não havendo exageros a própria amamentação já ajuda à recuperação do peso (é o que espero, pelo menos :-) ). O meu plano passa por não exagerar na quantidade de comida, e sobretudo nas bolachas (sei que não consigo evitar comê-las, mas tenho que manter as quantidades dentro do razoável), por continuar com os alimentos ricos em fibras, e por beber muita água (ter um copo de água sempre por perto). Além disto tenho que tentar fazer algum exercício. Felizmente eu e o J. desistimos (ou pelo menos adiámos) a ideia de comprar uma bicicleta de ginásio, porque não faz sentido continuar a gastar dinheiro para acumular cá em casa coisas que acabam por não ser utilizadas (coisa em que eu sou perita) e é o que costuma acontecer às bicicletas de ginásio que as pessoas compram. Mas como ir para um ginásio neste momento não me parece uma opção muito prática, vou tentar utilizar aquilo que já tenho em casa, e fazer exercício na Wii (que tem a vantagem de ter um programa de controlo de peso) e no aparelho de abdominais.
A ver vamos se isto resulta. A minha auto-estima precisa :-)))

Até sempre,
Cookie

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Ok, parece que sou uma pessoa normal :-)

Artigo na newsletter da Dodot, enviada para bebés com 1 mês

"O BEBÉ COMEÇA A RECONHECÊ-LOS

Agora parece que o bebé que tinha dentro de si esteve sempre ao seu lado. Pode parecer que só come e dorme, mas observe-o com atenção: a cada dia analisa-a mais e parece estar pronto a recompensá-la com um sorriso. Tem a cara um pouco mais magra e até já pode ter tentado balbuciar. Regra geral, a grande quantidade de tempo que exige o cuidado de um bebé faz com que os novos pais e mães não se apercebam da rapidez com que o filho muda e cresce. Portanto, estejam atentos: antes de darem por isso, o seu pequeno já será um adulto.

Nota: Os bebés desta idade são muito exigentes e, no entanto, ainda não sabem fazer muitas coisas, razão pela qual esta pode ser uma altura especialmente difícil para si. A falta de sono e as profundas alterações na rotina a que estavam habituados podem afectar muito os pais, pelo que não se rendam."
 
"Ser mãe é extenuante e é natural que de vez em quando se sinta um pouco abatida à medida que se acostuma à nova rotina."
 
Até sempre,
Cookie

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Já passou um mês e pico...

Várias pessoas já nos devem ter chamado "doidos", pelo menos em pensamento. Algumas já verbalizaram os seus pensamentos, chamando-nos corajosos por decidirmos ter um filho agora, quando as mais velhas já estavam tão crescidas e numa fase em que já são muito mais independentes.
Ter um bebé tão pequeno, tanto tempo depois, é certamente um desafio. Sei que sou uma mãe diferente do que fui há 8 anos atrás. Mais paciente, sem dúvida, muito mais segura, mais prática, muito mais objetiva. Há alturas em que sinto que entro em piloto automático, fica apenas a componente prática a funcionar (agora tenho que fazer isto, depois tenho que fazer aquilo, e a seguir mais não sei o quê). Ainda reclamo quando estou a contar que o bebé adormeça para eu poder fazer alguma coisa e de repente vejo (como agora) a agitação dos bracinhos dele na alcofa e sei que não tarda nada e estarei a ser requisitada novamente. Mas sei que é normal.
Com um bebé pequeno não se podem fazer grandes planos, é ir gerindo o momento presente, as necessidades do momento do bebé, esperando conseguir fazer algo mais. Tinha grandes intenções para a licença, mas ainda me estou a tentar orientar em muitas delas... A idade não é a mesma e as noites mal dormidas pesam muito mais. Nem o sono é igual, lembro-me que quando a R. nasceu, quando ela adormecia eu automaticamente adormecia também. Agora demoro muito tempo a conciliar o sono e isso deixa-me de rastos.

A parte boa compensa, sem dúvida. Mas compensa sobretudo o que está para vir, visto que até esta fase o bebé interage muito pouco. Compensa pelas irmãs, pelo bem que lhes faz ter um maninho, compensa por ser o fruto do amor que tomou forma. Há-de compensar pelos sorrisos, pelos abraços, pelo carinho, por todas as traquinices, por tantos motivos de orgulho que nos há-de dar pela vida fora...

Até sempre,
Cookie