Lilypie Kids Birthday tickers

Lilypie Kids Birthday tickers

Lilypie First Birthday tickers

Lilypie First Birthday tickers

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Já passou um mês e pico...

Várias pessoas já nos devem ter chamado "doidos", pelo menos em pensamento. Algumas já verbalizaram os seus pensamentos, chamando-nos corajosos por decidirmos ter um filho agora, quando as mais velhas já estavam tão crescidas e numa fase em que já são muito mais independentes.
Ter um bebé tão pequeno, tanto tempo depois, é certamente um desafio. Sei que sou uma mãe diferente do que fui há 8 anos atrás. Mais paciente, sem dúvida, muito mais segura, mais prática, muito mais objetiva. Há alturas em que sinto que entro em piloto automático, fica apenas a componente prática a funcionar (agora tenho que fazer isto, depois tenho que fazer aquilo, e a seguir mais não sei o quê). Ainda reclamo quando estou a contar que o bebé adormeça para eu poder fazer alguma coisa e de repente vejo (como agora) a agitação dos bracinhos dele na alcofa e sei que não tarda nada e estarei a ser requisitada novamente. Mas sei que é normal.
Com um bebé pequeno não se podem fazer grandes planos, é ir gerindo o momento presente, as necessidades do momento do bebé, esperando conseguir fazer algo mais. Tinha grandes intenções para a licença, mas ainda me estou a tentar orientar em muitas delas... A idade não é a mesma e as noites mal dormidas pesam muito mais. Nem o sono é igual, lembro-me que quando a R. nasceu, quando ela adormecia eu automaticamente adormecia também. Agora demoro muito tempo a conciliar o sono e isso deixa-me de rastos.

A parte boa compensa, sem dúvida. Mas compensa sobretudo o que está para vir, visto que até esta fase o bebé interage muito pouco. Compensa pelas irmãs, pelo bem que lhes faz ter um maninho, compensa por ser o fruto do amor que tomou forma. Há-de compensar pelos sorrisos, pelos abraços, pelo carinho, por todas as traquinices, por tantos motivos de orgulho que nos há-de dar pela vida fora...

Até sempre,
Cookie

Um comentário:

D. disse...

Faz-me sentir tão bem estes teus relatos. Fico muito feliz mesmo por tudo e principalmente pela coragem.
Tudo de muito bom.
Bjs