Lilypie Kids Birthday tickers

Lilypie Kids Birthday tickers

Lilypie First Birthday tickers

Lilypie First Birthday tickers

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Nós

Lembro-me de há uns anos, em conversa com uma amiga, que já tinha dois filhos na altura (eu ainda não tinha a R) ela me dizer: "Há pessoas que decidem ter um filho para tentar salvar um casamento. Mas enganam-se, porque um filho é das coisas que mais coloca um casal à prova."
Sempre pensei muito nisto, e para mim sempre fez todo o sentido. Aliás tenho noção, e acho que já escrevi isso por aqui, que não tendo sido o motivo para o fim do meu primeiro casamento, a nossa filha veio "colocar a nu" todas as fragilidades da nossa união. Tudo aquilo que antes dava para ir disfarçando, até para nós mesmos, nessa altura veio à tona.
Com o J. o contexto era diferente. Já tinhamos as nossas meninas, já tinhamos passado por muitas situações relacionadas com elas que a maior parte dos recém-casais não passa, e sempre tivemos noção, desde o primeiro dia da nossa relação, que eu não sou a prioridade nº 1 dele e ele não é a minha, porque as meninas estão em primeiro lugar. Mas não deixava de estar apreensiva, sobre o que aconteceria à nossa relação perante o impacto brutal de ter um filho.
E é certo que a nossa relação mudou... imenso. Desde logo porque as rotinas diárias estão completamente diferentes, costumavamos ir juntos para o trabalho, regressavamos juntos, tudo o que houvesse para fazer depois do trabalho faziamos em conjunto. E adoravamos que assim fosse. E depois porque um bebé é realmente muito absorvente, pelo que o tempo que estamos juntos acaba por ser muito concentrado nele.
O nosso amor mudou, ou antes, evoluiu. Estamos bem. Não há tensão entre nós, apenas o cansaço que por vezes se sobrepõe ao carinho. O nosso amor tornou-se mais sereno, mais tranquilo. Continuo a ver nele o meu "namoradinho" e continuamos a ter os nossos momentos especiais, simplesmente (como é normal) são menos frequentes. Continuamos a rir um com o outro.
Estou tranquila. O amor mudou, mas não diminuiu, nem um bocadinho. Aliás, fico feliz por poder continuar a dizer-lhe: "amo-te, hoje mais do que ontem e menos do que amanhã"

Até sempre,
Cookie

Um comentário:

D. disse...

Tão lindo o sentimento que transmitiste neste texto.
Desejo que assim continue sempre.
Nota-se que estás mesmo feliz.
Beijinhos grandes